Os Irmãos Gundecha levam adiante uma antiga tradição de yoga musical de música sagrada enraizada nos Vedas, que invoca Deus como Nada Brahma e desperta a alma
por Dr. KK Chawla, Alabama, EUA

 

Há pouco que possa preparar alguém para a genialidade musical dos Irmãos Gundecha. Eles se sentam de pernas cruzadas no palco em elegantes trajes indianos combinando, emoldurados por um par de Tampuras que se erguem por trás, seu percussionista ao lado. A experiência começa com ornamentos vocais tranquilos, primeiro de um e depois do outro, em cadencias suaves indo para frente e para trás com sutileza requintada. Eles são dois, mas um, de tão sintonizados, tão conscientes do outro. Gestos de mãos e braços, como mudras graciosos, parecem evocar os sons de câmaras internas incrivelmente profundas e atleticamente treinadas. Com a abertura completa, eles alçam voo, voando para um espaço espiritual que os faz cantar, ora juntos, ora sozinhos, para frente e para trás, levando-nos em asas de sincronicidade surpreendente e devoção emocionante. Se isso parece hiperbólico, simplesmente sente-se na presença dos Irmãos Gundecha (ou ouça-os cantar para o Deus Shiva no YouTube: bit.ly/shivashiva). Se este não for um som sagrado, é o mais próximo que os seres encarnados podem chegar. Onde esta magia melódica tem sua fonte? Na antiga tradição chamada Dhrupad.

Até cerca de dois séculos atrás, o Dhrupad era a principal forma de Música Clássica do Norte da Índia. Foi cantado nos templos desde os primeiros tempos e mais tarde nas cortes reais. Alguns a consideram a forma musical mais antiga da Índia. Seus patronos eram os reis dos estados principescos indianos; o nome Raja Man Singh Tomar de Gwalior destaca-se como um desses patronos régios.

Na primeira metade do século 20, o Dhrupad estava em perigo de extinção. Com a perda do patrocínio real, gradualmente deu lugar a um estilo mais livre chamado Khayal. Por volta da década de 1940, a música hindu mudou os paradigmas de uma forma de adoração e Yoga para uma arte de performance/entretenimento. Poucas gravações de artistas religiosos foram feitas. No final dos anos 90, a maioria dos grandes gênios do Dhrupad e outras escolas de música sacra já haviam falecido. Um vasto repertório de música hindu e o conhecimento dos meandros da arte foram com eles para suas piras funerárias.

 

Salvando uma Tradição Antiga

Felizmente, os esforços de alguns defensores da família Dagar levaram ao renascimento e popularização do Dhrupad na Índia e no Ocidente. Os Dagars traçam sua linhagem bramânica de vinte gerações até o século 16, a uma aldeia Brij Chand de Daguri, perto de Delhi (daí o nome Dagar). Mas o avô de todos eles, todos parecem concordar, foi Baba Gopal Das Pandey, de Jaipur, que quebrou as regras de casta ao aceitar ensinar a Mohammad Shah Rangeel. Ostracizado por sua comunidade, ele se converteu ao Islã. Assim, todos os Dagars são descendentes de Pandey Brahmins.

Os Dagars são creditados por reviver a música Dhrupad com distinção. Eles são conhecidos pela qualidade profundamente espiritual e meditativa de sua música. Em particular, eles provocaram um renascimento do estilo Dagarvaani (às vezes escrito como Dagarbani) de Dhrupad. Seus discípulos, embora poucos, continuam a tradição.Os principais expoentes de hoje são os três Irmãos Gundecha, que são discípulos diretos de Ustad Zia Fariduddin Dagar e Ustad Zia Mohiuddin Dagar. Umakant e Ramakant Gundecha são os dois vocalistas; o terceiro irmão (primo), Akhilesh, toca pakhawaj, o tambor longo.

Uma performance de dois músicos juntos é chamada de jugalbandi. Esta forma de arte foi aperfeiçoada por Moinuddin e Aminuddin Dagar, dois irmãos que mudaram a técnica de um contraponto para uma mistura harmoniosa de ambas as vozes. Os Irmãos Gundecha são mestres do jugalbandi. Eles cantam com os olhos geralmente fechados, suas vozes perfeitamente combinadas em tom e alcance. Um ouvinte não pode dizer onde um começa e o outro sai. O resultado é uma experiência incrivelmente espiritual e satisfatória.

Continuando a antiga tradição de guru-shishya parampara, os Irmãos estabeleceram uma instituição residencial do tipo Gurukul chamada Dhrupad Sansthan (um centro de ensino) em Bhopal, Índia. A filosofia básica é que o verdadeiro ensino não pode ser alcançado apenas por meio de palestras formais, livros, ensino a distância ou online. O ensino tem um importante componente não verbal, o aprendizado por osmose, transmissão do guru para o aluno quando ambos vivem sob o mesmo teto. Visitei a Gurukul em dezembro de 2011, encontrei-me com os Irmãos e presenciei uma apresentação pública deles e de seus alunos. Esses alunos, alguns do exterior, passam por um treinamento rigoroso e intensivo. Eles seguem uma dieta vegetariana, acordam às 5 da manhã todas as manhãs e seguem um regime rigoroso ao longo do dia. É uma imersão árdua e total no virtuosismo do Dhrupad.

 

Enraizado nos Vedas

A Música Clássica Indiana tem suas raízes no canto dos hinos védicos. Os primeiros cantos védicos usavam apenas três notas. Eventualmente, isso evoluiu para o atual sistema de sete notas, pontos em um continuum de variações microtonais. O termo usado para Música Clássica em sânscrito é Shastriya Sangeet — música que se baseia em princípios tradicionais fundamentais encontrados nos Shastras.

Está enraizada no conceito espiritual de Nada Brahma, Deus (o Absoluto) na forma de Som. O Som Primordial, Pranava, é Om. Assim, Dhrupad é uma forma de Yoga – ou seja, Nada Yoga, que busca a fusão com o Divino através do Som.

A palavra Dhrupad é derivada de Dhruva e Pada. Dhruva significa “fixo”. Por exemplo, a estrela polar é chamada Dhruva Tara; sua posição no céu noturno é fixa, enquanto outras estrelas se movem pelo céu. Pada significa parte, composição ou estrofe. Assim, Dhrupad se traduz como uma composição musical fixa.

Muitos artistas de Dhrupad afirmam que eles não se apresentam para entreter o público; seu canto é mais uma busca sem fim em direção à Divindade.

 

Entendendo o Dhrupad

A escola Dagar ensina que o artista deve dominar o Nada Yoga, que inclui o desdobramento através dos chakras, nossos centros de força espiritual. No Alaap (ou improvisação, parte do canto), o ouvinte atento notará que o som, ou Nada, começa na região do umbigo e sobe pela garganta até o palato. O canto de Dhrupad requer prática intensa e domínio do Nada Yoga para produzir uma paleta de sons, como a paleta de cores que um pintor usa para produzir uma pintura.

A proficiência em Nada Yoga permite que os cantores produzam vastas combinações de notas e tons, fazendo o som fluir livremente ao longo do eixo umbigo-cabeça (umbigo, coração, garganta, lábios, língua, dentes e cabeça). Esta arte compreende tanto Aadhar Nada (som produzido pela vibração das cordas vocais) quanto Niradhaar Nada (som interno do corpo desenvolvido pela respiração). Esses dois sub-sons são produzidos em união. Este elaborado cultivo do Niradhaar Nada torna o Dhrupad único entre todas as formas musicais da Índia. O mestre de Nada Yoga usa esses canais de energia e toca todo o seu instrumento vocal do umbigo à cabeça, chamado Gayatri Veena, para produzir um som divino.

Uma pessoa acostumada à Música Clássica Ocidental, onde ritmo e harmonia são as principais características, deve deixar essa bagagem para trás ao ouvir a Música Clássica Indiana, especialmente Dhrupad. Aqui as notas não são tratadas como pontos fixos e discretos, mas como entidades fluidas com infinitas tonalidades microtonais, resultando em nuances melódicas profundas. Minha sugestão para quem quer realmente experimentar a música Dhrupad é sentar-se confortavelmente em um lugar calmo com os olhos fechados, prestando atenção nas variações sutis. Eu escuto quando faço Hatha Yoga. Dhrupad não deve ser tocado como mera música de fundo.

Uma performance típica de Dhrupad, como outras formas de Música Clássica Indiana, começa com o Alaap, um desenvolvimento lento, não rítmico e contemplativo do Raaga, a forma ou escala modal básica. Gradualmente, o tempo aumenta e as passagens mais rápidas geralmente incluem ornamentação lúdica e vigorosa. No estilo Dagarbani de Dhrupad, as composições começam com um Alaap relativamente longo e cíclico, onde as sílabas te, ta, ri, re, ra, na, naa e num são usadas para improvisar. Essas sílabas são derivadas de “Om taran taarani ananta harinarayan om”.

Cantores e instrumentistas Dhrupad treinados podem expressar uma ampla gama e variedade de emoções no Alaap, ligando notas de diferentes maneiras. Essas ornamentações são chamadas de Alankars. Alguns dos nomes de diferentes Alankar usados na escola Dagarbani são Dagar (caminho, como uma estrada sinuosa em uma colina), Dhuran (puxar), Muran (virar), Kampit (uma espécie de vibrato), Kampan (tremer)e Andolan (balançar). Estes também aparecem em outras formas de Música Clássica Indiana, tanto vocal quanto instrumental.

O Alaap pode ocupar até 50 minutos de uma gravação de Dhrupad de 80 minutos. Depois de se desdobrar gradualmente em suas seções mais rítmicas de Jod e Jhala, é seguido por uma composição formal, geralmente versos em louvor aDeidades específicas. Nesta fase o Pakhawaj, um tambor em forma de barril de peça única, tradicionalmente entrapara acompanhar o canto. O entendimento de fração de segundo entre o(s) vocalista(s) e o tocador de Pakhawaj é inacreditável.

 

Variações sobre um tema

Além de Dagarbani, existem outros estilos de canto Dhrupad, como Ashta Chhap Sangeet ou Haveli Sangeet. Essas canções devocionais em louvor ao Senhor Krishna também são conhecidas como kirtans Pushtamargiya. Nesse estilo, os irmãos Gundecha lançaram recentemente um CD de dois volumes chamado Krishna Rasamrit. Eles também gravaram algumas poesias hindi modernas de Nirala, Mahadevi Verma e outros.

A música Dhrupad não requer um vocalista; pode ser puramente instrumental. O Rudra Veena é conhecido por seus tons profundos. Algumas excelentes gravações de Rudra Veena de ZM Dagar estão disponíveis no YouTube. As gravações de Dhrupad em violino e violoncelo foram feitas por Nancy Kulkarni (nascida Lesh), uma canadense e antiga violoncelista profissional que agora vive e se apresenta na Índia. Outro instrumento que acho muito comovente é o Surbahar, um sitar baixo do qual Pushpraj Koshti é um grande expoente. Os Gundecha Brothers gravaram com ele.

 

Um Satsang de Devoção

Embora sejam estrelas em ascensão no campo da música, os Irmãos Gundecha mantêm a tradição dos artistas hindus de serem humildes devotos de Deus. Em um grande evento na Índia, enquanto VIPs estavam zumbindo no palco antes da apresentação musical, os Irmãos convidaram a mim e minha esposa nos bastidores para sentar com eles e seus alunos enquanto ensaiavam para a apresentação: “Lamentamos que você tenha que esperar para ouvir a música, então pensamos que você poderia vir e ouvir enquanto praticamos.” Em uma recente turnê pelos Estados Unidos, a caminho de Houston para Washington, DC, eles tiraram um tempo para visitar a mim e minha esposa. Recebi uma ligação do nada e eles vieram tomar café conosco em nossa casa no Alabama, antes de continuarem a caminho de suas apresentações.

Eu encorajo cada um de vocês a pesquisar na web por “Dhrupad”, “Dagar” e “Gundecha Brothers”, e incorporar esta música em sua vida e prática espiritual.

 

Dr. Krishan K. Chawla é professor de Ciência e Engenharia de Materiais na Universidade do Alabama em Birmingham.
Os interessados em colaborar para apoiar o Dhrupad podem contatá-lo em: krish.chawla@gmail.com

Deixe um comentário


6 × seis =