por Gundecha Brothers

 

Nossa investigação do termo ‘Gharana‘ pode ser incompleta se nos detivermos apenas no significado literal do termo. Por isso, seu exame aprofundado é um dever. Deve-se ter em mente que uma ‘Gharana‘ musical (ou tradição, em um sentido geral) nasce do gênio de um mestre e suas habilidades criativas.

Mesmo assim, Gharana absorve os traços de alguns auxiliares; que não são necessariamente uma Gharana da sua própria. Pode-se ver isso facilmente como sendo uma corrente de pensamentos musicais e a perpetuação da tradição. Assim dito, nunca devemos tentar considera-lo como um quadro imóvel. O único caminho de tal corrente será um fluxo de pensamentos criativos. Mas, tem sido uma prática errada reconhecer e pregar o termo Gharana como uma entidade fixa. A própria Gharana é um produto de tal fluxo. Além disso, será uma injustiça perceber o fluxo da música com um conjunto fixo de conceitos.

Um estudo contemplado de uma Gharana musical nos revelará que ela foi o produto de um mestre; seus pensamentos criativos, suas percepções, seu pensamento estético, sua natureza e até mesmo suas limitações. Depois do mestre, sua Gharana propicia apenas esse tipo de música. Um bom estudo também fala sobre as especialidades de uma Gharana como: a cultura da voz, tempos de canto, percepção de Rāgas, composições, improvisação de texto e ritmo etc. Todas essas faculdades compilam e dão origem a uma Gharana que tem um sabor próprio.

Entre todas, a cultura da voz mantém a maior importância em qualquer Gharana. Isso nos leva ainda a conhecer as nuances mais sutis da cultura da voz. É um fato conhecido que duas pessoas não têm a mesma voz. A voz não pode ser emprestada, pois é propriedade única e intransferível do cantor. Talvez esta seja a maior desvantagem do conceito popular de Gharana. Portanto, se o fluxo criativo de Gharana se desvia e deixa de lado esse fato, acaba imitando a voz de seu mentor. Esse traço antinatural essencialmente cessa o crescimento dessa tradição.

Assim, a imitação é antes a desintegração da Gharana. Ao contrário, se um performer utiliza as nuances do Gharana e cresce sob seus próprios traços naturais de voz, isso inevitavelmente se torna a verdadeira representação da tradição, a Gharana. Qualquer mudança criativa que ocorra na Gharana deve ser bem-vinda, pois é a própria natureza da nossa música. A conservação orientada para a imitação de um Gharana é essencialmente uma falha do sistema e deve ser entendida antes de considerar o fluxo criativo de ideias como oponentes à Gharana. Esta é a verdadeira visão de nossa tradição.

Alguns exemplos práticos demonstram bem esses fatos. A música de Ustad Amir Khan é considerada uma etapa indispensável na história da nossa música. Sua música absorveu muitas iguarias de épocas anteriores. Consideramos que ele é um epítome de Kirana Gharana. A outra lenda da mesma tradição foi Ustad Abdul Karim Khan. Ele tinha um traço musical completamente diferente.

A grandeza da Kirana Gharana está na verdade de que dois maestros diferentes a alimentaram com sua criatividade, e a Gharana lhes deu a oportunidade de fazê-lo. Este é o fluxo correto da Gharana. Amir Khan foi um epítome nos anos 60. A maioria dos músicos foram fortemente influenciados por ele. Todos eles ‘absorveram’ (não imitaram) Amir Khan à sua maneira. Esta é a verdadeira percepção da Gharana. Evidentemente, devemos perceber a Gharana não como um mero nome ou forma, mas como um pensamento.

Smt. Kishoritai Amonkar não estenografa* o canto anterior de Jaipur. Ela trata o núcleo de Jaipur com suas habilidades criativas. Esta é a tradição da verdadeira Jaipur Gharana. Tal tratamento criativo não deve ser rejeitado como um simples desvio, em vez disso, deve ser claramente entendido que é o fluxo justo da tradição de Jaipur. Mesmo que sua música seja baseada em Jaipur Gharana, isso nunca obstruiu sua exploração criativa. Pt. Mallikarjun Mansoor dá um novo toque à sua música. Sua interpretação musical é criativamente diferente de seu contemporâneo mais velho Surshri Kesarbai Kerkar. Sua música é alimentada por sua voz e seus pensamentos. Se não, deve ser pensado como a desintegração de Jaipur Gharana. Da mesma forma, a música de Kumar Gandharva absorveu o melhor da Gwalior Gharana e ainda teve um toque de sua mente criativa.

Precisamos essencialmente entender o verdadeiro insight da Gharana e não nos determos em traçar limites para o fluxo.

 

*ESTENEOGRAFIA: técnica de escrita que utiliza caracteres abreviados especiais, permitindo que se anotem as palavras com a mesma rapidez com que são pronunciadas; taquigrafia, logografia, pasistenografia.

Deixe um comentário


nove × = 54