Um satélite da Nasa confirmou a antiga tradição sobre a música das esferas, os corpos celestes emitem sons harmônicos, conceito de harmonia universal e da sua simetria. Foi descoberto que a atmosfera do Sol, emite ultra-sons e interpreta uma partitura composta de ondas aproximadamente 300 vezes maior do que o ouvido humano pode captar. A música das esferas sempre foi a apaixão dos estudiosos do Universo. Para os pitagóricos, os sons emitidos pelos planetas dependia das proporções aritméticas de suas órbitas ao redor do Planeta Terra, da mesma forma que o comprimento das cordas de uma lira determina o tom. As áreas mais próximas produz sons que se intensificam com o aumento da distância. O mais extraordinário, segundo eles, os sons são sintonizados com os de outras áreas, produzindo um sincronizado particular a “música das esferas” Para os pitagóricos, por conseguinte, manifesta-se as proporções do universo “justo”, tal como previsto pelos pelos ritmos e números, causando um canto harmonico. O cosmos, é portanto, um sistema que integra as sete notas musicais com os sete então conhecidos corpos celestes (Sol Lua, e cinco planetas visíveis). Há estes planetas foram adicionados três campos, chegou a 10, o número perfeito. A mesma harmonia celestial foi descrita por Platão em Epinomis quando disse que as estrelas estão execitando o melhor de todas as canções. Cícero também menciona na canção de Cipião o som intenso, que se originou das órbitas celestes, regido pela desigualdade, resultando em intervalos harmônicos diferentes. A tradição via o universo como um grande instrumento musical ampliado. Durante a Idade Média até o século XVII Kircher falou sobre “a grande música do mundo” e Fludd concebeu um monotone do Universo, dez registros evocados pelos pitagóricos melódicos traduziu a harmonia da criação. A tradição via o universo como um grande instrumento musical ampliado. Durante a Idade Média Foi o astrônomo Kepler , quem estabeleceu que uma estrela emite um som que é mais grave, enquanto o movimento é mais rapido, por isso não estão bem definidos intervalos que estão associados a planetas diferentes. Kepler postulou em sua obra Harmonices Mundi, as velocidades angulares dos sons que cada planeta produz. Na verdade, Kepler chegou a compor seis canções que correspondem aos seis planetas do sistema solar conhecidos até então. Quando combinadas, estas canções emite quatro acordes diferentes, sendo que uma delas produz a corda do início do universo. Um século depois, Newton abrange duas visões de mundo que parecia contraditório: o mecanicista do mundo [o grande relõgio universal] e de ordem superior que rege o universo. Sua visão mecanicista, permitiu a previsão das aparições de cometas e até mesmo a descoberta de Netuno por um processo de cálculo, reforçou a idéia de que o Universo apresenta uma grande harmonia.

Assim, desde os pitagóricos até a física moderna, todas as propostas teóricas têm usado a mesma noção de harmonia evocadas por Newton. Depois de Newton, a harmonia será chamada pelos físicos para descrever e compreender o mundo, embora de formas diferentes. Einstein, por exemplo, descobriu a relatividade porque estava convencido da harmonia do universo. A nova linguagem da física e da astrofísica, espectro da fala, frequências, ressonâncias, vibrações e análise harmônica, em que um sinal variável no tempo pode ser descrito por uma composição de funções trigonométricas. Essa harmonia universal é descrita matematicamente e geometricamente musical no final do século XIX, os físicos descobriram que a emissão de raios produz uma desexcitação do átomo semelhante aos intervalos musicais. Atualmente, a linha espectral é explicada pela mecânica quântica, porque os níveis de energia dos elétrons em um átomo, que são descontínuos, também podem ser expressas por números inteiros. A harmonia oculta adotou um novo nome, a simetria, uma vez que a geometria física real é usada para descrever, unificar e classificar as partículas elementares e suas interações, e para explicar os diferentes modelos teóricos do universo. Uma das mais recentes teorias da física descreve partículas elementares não como corpúsculos, mas como as vibrações de minúsculas cordas, considerado unidimensional entidades geométricas. Suas vibrações são baseadas em simetrias matemáticas que representam uma extensão da visão pitagórica do mundo e de recuperação da visão do mundo moderno, da antiga crença na música das esferas. Um satélite lançado ao espaço em abril de 1998 pela Região de Transição da NASA e do Coronal Explorer [TRACE] encontrou a primeira prova da música que emana de um corpo celeste como Kepler e os pitagóricos haviam imaginado. O TRACE visa estudar a atmosfera turbulenta superior do Sol, ou corona solar, onde são desencadeadas as tempestades e os solavancos. É equipado com um telescópio especial voltado para a região de transição que fica entre a superfície relativamente fria do Sol, na baixa atmosfera, onde as temperaturas são mais elevadas, como também a atmosfera superior ou corona muito quente. O TRACE tem dez vezes maior resolução temporal e resolução espacial cinco vezes maior do que qualquer outro observatório solar. Graças às suas características, os astrônomos foram capazes de descobrir a enorme complexidade da corona solar e obter imagens de vídeo do sol em vez de imagens estáticas (que fornece uma dimensão temporal para o estudo dos movimentos de curto prazo das estrelas). Com a ajuda desta nova ferramenta os cientistas da cosmológica Southwest Research Institute (SwRI) em San Antonio (Texas), descobriram que a atmosfera do Sol na verdade “soa”como previsto pelos pitagóricos, porque ele é cheio de ondas ultra-sônicas.

De acordo com esta descoberta, a música tradicional das esferas, é na verdade um ultra-som solar que interpreta um escore composto, através do ar 300 vezes maior que o som audivel para o ouvido humano, com uma frequência de 100 Hertz milli em periodos de 10 segundos. A Hertz é a freqüência de um fenômeno periódico cujo período é 1 segundo. Os seres humanos não podem ouvir sons de baixa freqüência de 16 Hz (infra-sons), nem superior a 20 kHz (ultra-sons ou supersônicas). Segundo seus descobridores, dentro de dez segundos essas ondas de ultra-som, gera algumas colisões durante a breve passagem de cada onda, como é o caso do ultra-som do Planeta Terra. As ondas ultra-sônicas são produzidas tanto pelo choque repentino dos fluxos eletromagneticamente induzidos na superfície solar, ou pela colisão de certas ondas de som de baixa freqüência quando se levantam como ondas do mar a partir da superfície do sol. Ambos os motivos podem explicar, em adição ao som da música das esferas, outro velho mistério do Sol: a fonte de calor extra que tem a estrela em sua superfície. Explicação solar das várias temperatura. A uma temperatura acima de 100 000 ° C, a cromoesfera localizada entre o núcleo do sol e do arco solar é cerca de 20 vezes mais quente que a superfície do Sol (que tem uma temperatura de 6000 º C). A corona solar(em torno do sol) é ainda mais quente: 200 vezes a sua superfície. Há 50 anos os cientistas procuram as razões para esta diferença. As ondas sonoras são detectadas a uma distância de pequenas flutuações na luminosidade das emissões ultravioleta do sol. O ultra-som solar é tão fraco que as ondas individuais não são registradas. O satélite TRACE é um telescópio ultravioleta que orbita a Terra. A descoberta pode ajudar a resolver o mistério de décadas para definir o Sol e o clima espacial, ao mesmo tempo é uma nova contribuição inestimável para a teoria da musica das esferas.

*fonte: http://fredywander.blogspot.com.br/2012/12/nasa-confirma-musica-das-esferas.html

Deixe um comentário


× oito = 64